Querida, encolhi o projetor!

08/09/2009

SNunca mais carregar grandes e pesados projetores. Fazer apresentações será cada vez mais fácil com a chegada dos novos modelos Pico. Mas nessa nova geração, alguns chamam mais a atenção que outros. É o caso deste modelo da Samsung, que uniu o celular ao projetor, criando um dois em um que pode virar a nova sensação dos executivos modernos. Agora é esperar que chegue rapidinho ao Brasil. Eu já estou na fila!

Anúncios

Samsung: Para eles o marketing viral não tem segredos

26/05/2009

Desta vez vou pegar carona na dica que a Diana mandou para mim. Ela concorda comigo que a Samsung vem dando mostras de ser a próxima onda cool na indústria tecnológica, tal como a japonesa Sony já foi um dia. Não me entendam mal. Sony ainda é um exemplo de uma marca desejada. Mas o alvoroço que ela fazia num passado não muito distante, com seus walkmans e computadores Vaio, começa a ficar par trás. E parece que o espaço começa a ser brilhantemente ocupado por essa marca coreana.

Este é mais um exemplo de marketing viral da marca. Só que para anunciar suas TV’s de tecnologia LED (Light-Emitting Diodes):


Viral da Samsung: Como a publicidade será um dia II

13/05/2009

Postei ontem sobre a campanha viral da Samsung, dizendo que, diferentemente de outros profissionais de marketing do mercado, acredito que exista sim uma técnica que permita prever a possibilidade de viralização de um vídeo na internet.

Em minha defesa, Carlos Henrique Vilela me indicou um link para um post do blog dele que dá exatamente a receita de como aumentar as possibilidades de sucesso nesse novo tipo de comunicação.

Sugiro que clique no link e leia. É interessante perceber que existem pessoas trabalhando para entender esse novo fenômeno. De acordo com o Carlos, essa primeira tentativa de analisar o marketing viral foi retratrada num artigo publicado na Advertising Age pelo vice-presidente de análise de marketing da consultoria americana Visible Measures, Matt Cutler.

Somando a isso a existência da The Viral Factory especializada no tema, chego a conclusão de que precisamos rapidamente aprender como fazer, para não perdermos o bonde da história.


Viral da Samsung: Como a publicidade será um dia

12/05/2009

Ainda ontem, passei a noite com alunos da ESPM discutindo o futuro das agências de publicidade. Não é novidade para ninguém que o modelo atual, baseado na mídia tradicional dos 30 segundos, tende a ser descontinuado na medida em que o mundo virtual se desenvolva. Como lembrou meu amigo e professor daquela escola, Luiz Fernando Biagiotti, no século passado um dos pioneiros da propaganda, Leo Burnett, já avisava aos seus funcionários e clientes: “precisamos aprender como fazer publicidade neste novo meio, a televisão, antes que algum concorrente descubra uma forma e as agências baseadas em anúncios de jornal morram”. Esse é o novo desafio: descobrir como usar a internet inteligentemente, e não somente os famosos comerciais de televisão.

A gente tem ouvido muitos profissionais renomados de marketing dizer ser difícil, se não impossível, planejar e executar virais. De acordo com essa linha de pensamento, virais são um resultado expontâneo das ações dos consumidores. Aos anunciantes e agências caberia somente o papel passivo de esperar que alguma coisa que fosse feita por eles caísse no gosto popular.

Para mim, pura besteira. É como dizer que não conseguimos administrar os resultados dos comerciais de televisão. Ou alguém aí tem dúvidas que o ‘>comercial da Sky com a Gizele Bundchen não seria um sucesso?

Chamou-me a atenção um dos posts do Blog Gizmodo Brasil de hoje. Nele, tomei conhecimento do viral da Samsung, um exemplo de como esse tipo de ação é resultado de planejamento e criatividade. Um vídeo mostra a qualidade da câmera do novo celular da empresa. De repente, o apresentador, em frente ao espelho, faz um truque de mágica e o celular some. Só que ele continua segurando com as mãos a câmera invisível, gravando como se aquilo fosse natural. E desafiando o expectador a descobrir qual o truque, já que a imagem não tem nenhum corte.

Ah, mas até aí, os profetas do apocalipse estão certos, você poderia pensar. O vídeo é bom, mas ninguém garante a sua transmissão através da net. Só que a verdadeira razão para se enviar esse vídeo para os amigos é um segundo vídeo, mostrando como o truque foi feito e comprovando que realmente existiam dicas para que você descobrisse a solução do enigma. No mínimo, sensacional. Quem criou, já o fez pensando em causar o efeito de retransmissão através da internet.

Surge uma segunda prova de que marketing viral é sim possível. Basta uma boa idéia e um cliente corajoso o suficiente para investir nela. A agência que criou essa ação chama-se The Viral Factory, de Londres. Graças a Deus, alguém não se deixou influenciar por aqueles que não sabem como manejar a nova mídia e criaram uma agência especializada no impossível.

Se isso hoje é exceção, daqui a poucos anos será a principal forma de comunicarmos com um consumidor cada vez mais desatento e disputado. Nós, como profisisonais de marketing, precisamos surfar a crista dessa onda. Antes que viremos dinossauros de um mundo que não existe mais.