Nissan Tiida Rappers bate os 400 mil views

08/03/2011

Fico feliz com os resultados que a Nissan vem alcançando. Seja nas vendas, nas quais cresceu 72% nos últimos sete meses, seja na publicidade, que vem batendo recordes e recordes de acessos no Youtube e gerando comentários sobre a marca nas diversas redes sociais. Até mesmo a revista Exame relatou essa arrancada, numa matéria chamada “Polêmica que vende”.

Depois de 10 dias de lançado, o novo comercial da Nissan, Tiida Rappers,  repetiu o feito dos anteriores. No final de semana de lançamento, vídeo automotivo mais visto no Brasil, terceiro no mundo. Ficou no ar nas TV’s brasileiras somente quatro dias até ser proibido de ser veiculado. Retirado do ar, 38 cópias surgidas expontaneamente continuam a ser acessados em toda parte do mundo. 428 mil views é o novo recorde entre os comerciais de automóvel brasileiros.

Muito se tem discutido a estratégia adotada e este novo comercial acirrou ainda mais os ânimos. Para uma marca que não existia para a maior parte dos brasileiros até pouco tempo, a discussão é sadia. Nissan passou a ser uma opção para muitos e as vendas de fevereiro, que dobraram quando comparadas com fevereiro do ano passado, demonstram isso.

O ano está só começando. E a consolidação dessa marca precisa ser feita durante as próximas ações. Conto com sua opinião, para guiar os próximos passos.

PS – Adoro a diferença de opiniões. Faz todos os envolvidos crescerem. Só não creio que se esconder sob o pseudônimo de “Anônimo” abra espaço para a ofensa pessoal. Aceito responder a todos, desde que tenham a coragem de se expor. Ainda mais quem escreve sobre coragem.

Anúncios

Nissan Frontier e os cowbóis de posto

13/12/2010

Fim de semana intenso. Lançamos o novo comercial da Nissan, desta vez com a Frontier como protagonista. Nem nos meus melhores sonhos o resultado poderia ser tão alto: em 48 horas, o Agroboys se tornou o vídeo automotivo mais visto do mundo! No Brasil, entre todos os vídeos postados, o número um. Hoje pela manhã, as diversas cópias que se multiplicaram pela internet já ultrapassaram mais de 225 mil visualizações!

Os comentários mostram que as pessoas curtiram a paródia. Mas vale você deixar aqui sua opinião.


Desculpa, ô porpeta!

05/10/2010

Já fazem sete meses que não posto nada no meu blog. Culpa de meu novo emprego, onde estou trabalhando de montão. Queria uma razão para voltar e no final de semana passado encontrei. Tentei bloggar, mas deu algum problema e acabei deixando para esta semana. O efeito foi melhor ainda!

Estreamos o novo comercial do Nissan Livina 2011. Sem muita pretensão, a idéia era criar um comercial divertido que falasse das nossas cinco indicações pela imprensa especializada. Surpresa foi ver o boom que aconteceu. 61 mil views no Youtube em dois dias, vídeo de automóvel mais visto no mundo, na Índia e no Brasil. Milhares de Tweetes a respeito dele, todo tipo de resposta. Melhor de tudo é ver os comentários, na maior parte positiva (90%) e dizendo que propaganda comparativa é ótima. Hoje, dia 03 de outubro, já acumulou mais de 140 mil views entre o da página oficial e o das cópias que já apareceram.

Não gosto e nem quero transformar este blog num portfólio do meu trabalho. Mas duas semanas com o vídeo de automóveis mais acessado no Youtube me obrigam a comentar o fato aqui. Agora foi a vez do novo comercial, feito exclusivamente para a internet. Um pedido de desculpas à concorrência que já teve em menos de 48 horas mais de 40 mil acessos.E, novamente, 90% de citações positivas, tanto no Youtube quanto no Twitter.

Realmente, a sensação que tenho é que as pessoas esperam por mais criatividade num mundo cada vez mais cinza…

Se você não viu, clique abaixo. Se viu, veja de novo. Mas me mande sua opinião.


Air New Zealand: Nada a esconder

07/07/2009

Certas campanhas surpreendem pela simplicidade e força da mensagem. a Air New Zealand, de Nova Zelândia, colocou no ar recentemente uma nova linha de comunicação com seus funcionários pelados e com os corpos totalmente pintados. Sendo uma companhia de low fare, a mensagem é clara: nós não temos nada a esconder de você, consumidor. Não morando lá, não dá para saber se isso é referência a alguma concorrente, que possui também preços baixos, mas que cobre valores não anunciados no momento da emissão do bilhete, apesar disso já ter sido motivo de campanhas anteriores.

Independente do motivo, é uma campanha empolgante. E que não fica somente na TV, mas invade também o site de internet e, principalmente, o filme sobre os procedimentos de segurança.

Sem sombra de dúvidas, uma grande campanha.


Guaraná Antarctica e seu viral

29/06/2009

Devagar a gente vai vendo as tentativas de serem feitos virais também aqui nas terras brasileiras. Aqui, o viral do Guaraná Antarctica que, se não estourou, tem tudo para tal. E demonstra que uma das principais técnicas para se gerar um virus é entender a mensagem como complementar à toda a comunicação de marketing, mas principalmente de uma forma divertida. 


Samsung: Para eles o marketing viral não tem segredos

26/05/2009

Desta vez vou pegar carona na dica que a Diana mandou para mim. Ela concorda comigo que a Samsung vem dando mostras de ser a próxima onda cool na indústria tecnológica, tal como a japonesa Sony já foi um dia. Não me entendam mal. Sony ainda é um exemplo de uma marca desejada. Mas o alvoroço que ela fazia num passado não muito distante, com seus walkmans e computadores Vaio, começa a ficar par trás. E parece que o espaço começa a ser brilhantemente ocupado por essa marca coreana.

Este é mais um exemplo de marketing viral da marca. Só que para anunciar suas TV’s de tecnologia LED (Light-Emitting Diodes):


Zé Rodrix e a morte do jingle

25/05/2009

Todo mundo já sabe e leu a respeito da morte do Zé Rodrix. Elogios vieram de toda parte. E merecidos. Mas com a morte dele, me assaltou uma outra dúvida: Será que morreu o último dos fazedores de jingles memoráveis?

David Ogilvy, fundador da Ogilvy & Mather, em certa época de sua carreira foi contra os jingles. Ele dizia que as pessoas não achariam o anunciante sério. Mas ele mesmo mudou de idéia à medida em que o tempo passou e o uso de jingles tornou-se uma forte ferramenta para diversos produtos, tais como refrigerantes.

Podemos até dizer que nos anos 70 houve uma guerra de jingles entre Coca-Cola e Pepsi, da qual Zé Rodrix participou, criando o jingle abaixo:

Talvez o movimento hippie tenha amplificado essa guerra, mas as pessoas se agarravam na frente da TV para ouvirem e verem os comerciais cantados, como o que lançou o “Real Thing”:

Numa época em que não existia o Youtube, ao invés do viral vir até o consumidor, o consumidor se plantava na frente da telinha esperando o momento de ver e cantar novamente com sua marca favorita.

Por que será que a publicidade atual não usa mais o jingle em grande escala? Talvez a propaganda tenha perdido a inocência dos anos 70 e o consumidor seja agora mais experiente, necessitando uma comunicação mais instigante? Não sei. Mas que desde a morte do Zé Rodrix eu estou com uma vontade danada de beber Pepsi, ah, isso eu tô!