Em propaganda, Ivete já é 50% garantia de sucesso

21/02/2012

Na minha última postagem, recebi um comentário que me deixou pensativo. A Paula escreveu que o comercial do Dionísio nos teclados, aquele em que ele chama o reforço da Cláudia Leite, é o uó! Ou em bom mineirês, dificil de aguentar.

Fiquei pensando o quanto eu gosto de ver a Ivete Sangalo cantando no comercial da Nova Schin e acabei concordando com a Paula. Em termos de propaganda, é fácil saber quem é a rainha do Axé. Ivete Sangalo consegue, com seu jeito baiano de ser, se destacar.

Analisando os comerciais de diferentes agências em que as duas aparecem neste começo de ano, algumas características me chamaram a atenção. Diferentemente do comercial da Cláudia Leite, Ivete nunca é um personagem secundário. Ela é sempre a heroína da estória. Por mais que eu tente, não consigo acreditar que Ivete não deixe de exigir ter sua imagem dominante e clara na tela.

image

Outra característica que me agrada e que não deve ser uma coincidência é como a música é utilizada. Ivete sempre aparece cantando um jingle. Novamente diferente da loira baiana, ela nunca canta um de seus sucessos. Pode dar mais trabalho ter que ir para o estúdio gravar uma nova música, mas evita o caminho simplista de expor excessivamente um de seus sucessos.

Ivete hoje é cantora, apresentadora, atriz. E com ela em qualquer comercial, 50% do sucesso já está garantido.

Ivete para Nova Schin, da Leo Burnett
Feijão Maravilha, da DPZ, para Giraffas
Linha da Ivete para Avon, comrcial da 141 SohoSquare

Zé Rodrix e a morte do jingle

25/05/2009

Todo mundo já sabe e leu a respeito da morte do Zé Rodrix. Elogios vieram de toda parte. E merecidos. Mas com a morte dele, me assaltou uma outra dúvida: Será que morreu o último dos fazedores de jingles memoráveis?

David Ogilvy, fundador da Ogilvy & Mather, em certa época de sua carreira foi contra os jingles. Ele dizia que as pessoas não achariam o anunciante sério. Mas ele mesmo mudou de idéia à medida em que o tempo passou e o uso de jingles tornou-se uma forte ferramenta para diversos produtos, tais como refrigerantes.

Podemos até dizer que nos anos 70 houve uma guerra de jingles entre Coca-Cola e Pepsi, da qual Zé Rodrix participou, criando o jingle abaixo:

Talvez o movimento hippie tenha amplificado essa guerra, mas as pessoas se agarravam na frente da TV para ouvirem e verem os comerciais cantados, como o que lançou o “Real Thing”:

Numa época em que não existia o Youtube, ao invés do viral vir até o consumidor, o consumidor se plantava na frente da telinha esperando o momento de ver e cantar novamente com sua marca favorita.

Por que será que a publicidade atual não usa mais o jingle em grande escala? Talvez a propaganda tenha perdido a inocência dos anos 70 e o consumidor seja agora mais experiente, necessitando uma comunicação mais instigante? Não sei. Mas que desde a morte do Zé Rodrix eu estou com uma vontade danada de beber Pepsi, ah, isso eu tô!